Dia da Igualdade Salarial – 6 de Março

igualdade de género

Pela terceira vez consecutiva, em Portugal, escolheu-se o dia 6 de Março para assinalar a desigualdade salarial existente entre homens e mulheres. Porquê?

Como refere a CITE (Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego) “A escolha (…) não foi arbitrária, antes marca o número de dias extra que as mulheres teriam que trabalhar num ano para atingirem o mesmo salário que os homens ganharam no ano anterior.

Efetivamente, para conseguirem ganhar o mesmo que os homens ganharam em 2014, as mulheres, em Portugal, teriam de trabalhar em 2015 mais 65 dias, ou seja, até dia 6 de março. Já aos homens bastaria começar a trabalhar apenas nesse dia, para haver igualdade salarial em 2015.”

Já em 2014 o Conselho de Ministros tinha aprovado um conjunto de medidas para aproximar os salários entre géneros. Beneficiando as empresas que promovessem a igualdade salarial, dando-lhes nomeadamente acesso facilitado aos fundos comunitários. Neste sentido, voltou-se ontem a abordar o tema nos media.

Na 2ª Newsletter de 2015, fizemos referência ao Estudo do Observatório das Desigualdades, “Desigualdades de género no topo dos ganhos salariais em Portugal“, do qual se destaca que estas disparidades são ainda mais evidentes para os sectores salariais mais elevados. Em 2014 “o ganho salarial médio dos 10% de trabalhadores do sexo masculino mais bem pagos é 41% superior ao registado no seio da população feminina”.

A verdade é que muitas tentativas de salvaguardar a igualdade de tratamento têm sido promovidas, mesmo porque a própria União Europeia assim o exige. Portugal apesar do acima exposto, ainda assim permanece abaixo da média Europeia aferida. No país foi mesmo ponderada a criação de quotas para as mulheres, medida que veria a ser superada por outras.

A diferenciação dos escalões retributivos dos colaboradores deve assentar, não no género, mas antes em critérios objectivos e não discriminatórios, aferidos em função de uma gestão de desempenho ponderada, continuada e consequente, que inclua:

– A gestão de carreiras da globalidade dos trabalhadores,
– A avaliação de desempenho dos mesmos,
– A estratégia formativa da organização,
– A motivação individual e das equipas,
– A estratégia remuneratória e compensatória em função dos resultados atingidos.

O mérito deve ser o foco da diferenciação!

Um comentário

  • Tal como referido neste artigo, já em 2014 o Conselho de Ministros tinha aprovado um conjunto de medidas para aproximar os salários entre géneros tendo como principal objectivo beneficiar as empresas que promovessem a igualdade salarial, dando-lhes nomeadamente acesso facilitado aos fundos comunitários. Neste sentido, no Dia da Igualdade Salarial foi publicada uma Resolução do Conselho de Ministros (n.º 11-A/2015) que prevê que dentro de 90 dias haja mais novidades nesta matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de Email não será publicado.

Podemos ajudar?

CONTACTE-NOS

Topo

Sempre a pensar em Si.

Criámos uma Mailing List exclusiva para que você receba em primeira mão as nossas notícias e publicações.

" >CONTACTE-NOS
close slider
  • Escreva aqui a sua Mensagem.
  • Este campo é para efeitos de validação e deve ser mantido inalterado.